domingo, 8 de fevereiro de 2015

Transformação pessoal e a relação com a família


"E chegaram sua mãe e seus irmãos, e ficando da parte de fora, o mandaram chamar. — Estava sentado à roda de um crescido número de gente, e lhe disseram: Olha que tua mãe e teus irmãos te buscam aí fora.— E Jesus respondeu, dizendo: Quem é minha, e quem são meus irmãos? — E olhando para os que estavam sentados à roda de si: Eis aqui, lhes disse, minha mãe e meus irmãos. Porque o que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã e minha mãe." (Marcos, III: 20-21 e 31-35 – Mateus, XII: 46-50).

Esta passagem da vida de Jesus relatada nos evangelhos bíblicos reflete bem a realidade de muitas pessoas que estão pautando suas vidas nos caminhos da luz. É delicado quando decidimos mudar a nosso viver e vibração convivendo com pessoas diferentes demais dessa mudança. O novo sempre traz desafios e nesse caso, eu sei que eles podem ser difíceis.

Eu resolvi escrever este texto porque tenho muitos amigos que passam por isso, que enfrentam situações delicadas por causa do convívio familiar, de certa forma também lido com isso. E eu bem sei que essa é uma situação chata. Jesus disse claramente nas palavras destes versículos que a família dele eram aqueles que faziam a vontade de seu Pai, em outras palavras, aqueles que assumiram o Reino de Deus em seu viver, verdadeiramente.

E isso traz sim consequências, muito boas e outras desagradáveis. Porque não tem como a gente caminhar em conformidade com o Reino de Deus e continuar sendo a mesma pessoa que foi treinada à corresponder à sociedade, vivendo dentro dos ditos "padrões". Nós mudamos as nossas crenças, as nossas ideias sobre a vida, mudamos as nossas atitudes e comportamentos. Definitivamente, não somos mais as mesmas pessoas de antes.

Quando esse tipo de transformação ocorre com um individuo no meio de uma família, você imagina o que acontece! A interação com os demais acaba muitas vezes porque ela é decorrente da semelhança. Quando não falamos mais a mesma língua das pessoas de nosso convívio familiar tendemos naturalmente a não ter assunto mais a tratar com elas, então, acabamos nos afastando. E muitos se culpam por isso. Eu quero te orientar a não se sentir assim. Não é sua culpa o fato de agora você ser taxado por sua família como o antipático, anti social, esquisito, estranho.

É natural, visto que você mudou! As mesmas conversas não te interessam mais. Os mesmos problemas, o mesmo contexto, nada é mais o mesmo pra você. Porque quem anda na luz descobre uma vida nova de aprendizado e crescimento. A gente passa a querer outras coisas e viver de forma muito diferente, se conhecendo mais, se interessando pelo nosso próprio mundo e passando a dar mais atenção à pessoa que somos. E automaticamente nos interessaremos pelas companhias humanas que pensam da mesma forma que nós passamos a pensar, que estão no mesmo caminho. Não que você vá deixar de amar seus familiares, mas inevitavelmente sua relação com eles vai mudar e é preciso que aceite isso.

No entanto, tal transformação implica, infelizmente, em muitos conflitos no lar e eles podem ser dolorosos. Por mais que entendamos que nós mudamos e que é parte dessa mudança nos afastarmos para andar com os que estão no mesmo caminho, os nossos familiares podem não compreender ou aceitar isso. Daí nascem as desavenças e aquelas situações chatas e desgastantes dentro do lar, os outros tentando forçar você a continuar sendo como eles. E quando não conseguem te lançam acusações, te perseguem, te enchem o saco, falam mal de você. Essa semana mesmo isso aconteceu comigo. Fui chamado de “retardado” por uma prima, claro que ela não disse isso na minha frente, porque geralmente esse tipo de pessoa é covarde demais pra isso, mas me contaram que ela havia dito isso de mim. E tudo por quê? Porque eu não me misturo mais, porque o contexto familiar onde nasci já não me interessa nem um pouco.

Na verdade nunca me interessou, eu que fazia tipo pra agradar o mundo, porque a gente é ensinado que tem que ser lindinho para os outros aplaudirem, né? Mas lá no fundo, eu nunca quis estar no meio deles. Não porque eles sejam pessoas ruins, não é nada disso. Eu é que sempre fui diferente. E até aceitar que eu era diferente, sofri e me forcei, como todos nós infelizmente fazemos.

Por isso, o que você precisa fazer pra melhorar a sua situação é aceitar que você mudou e procurar abraçar toda essa mudança juntamente com toda novidade que ela lhe trouxer. É mais fácil do que ficar tentando fazer as pessoas entenderem quem você é agora. Ninguém precisa te entender, tampouco te aceitar. Esse trabalho é seu. E se sua família não sabe lidar com a nova pessoa que você se tornou, azar é o deles. Daí pra frente é outra história, você vai viver na sua e eles, na deles. E se mesmo estabelecendo limites a situação continuar insustentável no convívio dentro da mesma casa por exemplo, aí é melhor você se empenhar em sair do contexto, de repente morar sozinho, se afastar definitivamente. Procurar a sua liberdade e total independência.

Existe outra passagem na vida de Jesus, relatada também dos evangelhos bíblicos onde novamente ele fala sobre essa relação familiar após a pessoa passar a viver na luz, que é a seguinte: Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; E assim os inimigos do homem serão os seus familiares.
Mateus 10:34-36

Percebeu? Ninguém vai mudar porque você mudou, ninguém vai compreender a sua mudança de vida só porque você espera por isso. Você precisa compreender e aceitar essa realidade e viver em paz com suas escolhas. Você agora é diferente, então cabe a você fazer a diferença na própria vida. Você certamente vai continuar tendo o mesmo carinho e respeito de sempre para com eles, no entanto, agora é preciso manter uma distância segura, porque as diferenças vibracionais inevitavelmente vão exigir isso. E antes que a situação se torne insuportável, é melhor parar de resistir e mudar.

Abrace seu mundo, ame quem você se tornou. Esteja em paz com quem você é agora e caminhe com pessoas que despertam o seu melhor. Se essas pessoas não são mais as da sua família, então, pare de andar com elas, procure outra família com a qual você possa ser quem é sem repressões e julgamentos. A nossa família agora é composta por aqueles que estão no mesmo caminho que nós. E enquanto você não aceitar isso, infelizmente vai sofrer. Desapegue-se dos outros e apegue-se completamente a si mesmo. Você não tem que ser como ninguém quer e nem se comportar como todos esperam. Se você se iluminou e agora tem a maravilhosa oportunidade de ser quem verdadeiramente é em total e incondicional liberdade, não jogue isso fora para continuar agindo daquela mesma maneira. Nos velhos, vaidosos e arcaicos padrões que não fazem ninguém feliz.  

Viva o seu caminho, o seu mundo, a sua essência do jeito que é. E quem te amar de verdade vai aceitar suas mudanças e vai aprender a gostar delas. Todavia, quem não aceitar e não souber amar incondicionalmente, que esteja à vontade em se retirar da nossa vida, porque não precisamos mais viver em falsidade, conformismo ou conveniências, pois agora somos verdadeiros, somos de fato diferentes, somos da luz.

Seja Feliz!

Vinícius Francis 

Para viver essa nova vida precisamos nos alimentar do Bem que nos fortalece e nos projeta para o nosso melhor interior, pois é ele que sustenta o nosso caminhar. Por isso, eu quero sugerir a você os nossos cursos e trabalhos elaborados a partir de todo ensinamento recebido dos meus guias espirituais para ajudar no seu crescimento. Clique neste link e conheça os materiais que temos para te auxiliar e seu processo de caminhar em novidade de vida. 

2 comentários:

  1. Texto extraordinário, falou tudo que sempre senti e gostaria de passar para as pessoas que sofrem pelo afastamento e diferença com seus familiares.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.