terça-feira, 10 de outubro de 2017

Culpa? Pra que eu quero isso?



Só há culpa quando existe um modelo do certo que não foi seguido. Quando somos humildes em nos aceitar como somos nos damos o direito de errar, porque entendemos que não há erros, apenas experiências. Umas dão bons resultados, outras não. E está tudo certo. Se fosse pra viver conforme um padrão do "correto", nasceríamos com um manual de instruções de como viver corretamente, mas não nascemos.

Damos o que podemos, fazemos o que está ao nosso alcance, conforme nossa maturidade, consciência e capacidade no momento. A menos que façamos algo ruim de propósito, não somos culpados. E no final, tudo o que fazemos nos ensina boas lições. E com elas temos a chance de construir novas experiências nas quais aqueles "deslizes" não serão mais repetidos. Porque foi graças ao "erro" que acertamos o passo e nos aperfeiçoamos na arte de viver. No fim, aprendemos e evoluímos.

Mas não digo isso pra você se acomodar na ideia de "posso meter o pé na jaca" que está tudo certo no final das contas, não mesmo! Lembre-se de que tudo tem consequência e às vezes algumas são bem sérias. A lição aqui é pra você não se condenar pelo que faz e sim, compreender suas razões, seus limites e melhorar a si mesmo com o fim de não repetir atitudes que estão fazendo mal pra você mesmo, e de repente, pra outras pessoas. É só sem culpa que conseguimos fazer diferente. Se eu me culpo por algo que fiz, provavelmente farei de novo. A culpa não ensina, apenas martiriza e traumatiza. Sendo assim, não cura. E se não cura, continuamos suscetíveis às mesmas ações. É só sem culpa que a gente melhora. Porque sem culpa a gente não se pune e sim, aprende com o que aconteceu. E se aprendemos, pode crer, faremos diferente na próxima vez.

Luz e Benção!
Vinícius Francis


Um comentário:

  1. Essa tal de culpa é fogo mesmo!
    Fomos criados para senti-la, então é um exercício diário. Excelente texto.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.