quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Curso "Em sintonia com o Amor" - Aula 06 - A equação da relação promissora


Direitos Autorais: © Vinícius Francis, 2017
Não é permitido compartilhar este conteúdo em redes sociais, sites ou blogs. 
Caso queira divulgar este trabalho, compartilhe o link.
Grato pela compreensão! :-)

Esta é a nossa sexta aula do curso. Após a pausa que dei, vamos prosseguir discutindo o assunto. Interessante que, relações amorosas na maioria das vezes fazem parte do leque de sonhos das pessoas. Praticamente todo mundo em algum momento já sonhou com algo do tipo. Mas por quê isso é tão forte? Por várias razões. Uma delas é a hormonal, quando o assunto é hormônio temos aí um impulso da natureza, como vimos nas aulas anteriores.

Outro fator poderoso é a busca pelas boas sensações. Somos seres positivos, apesar de nem sempre conseguirmos viver nessa positividade por uma questão de crenças e comportamentos. Todavia, nossa essência é puramente positiva, fomos criados pelo amor, portanto, carregamos a necessidade constante de nos manter conectados a ele e a tudo o que é sua extensão. Emoções intensas e positivas fazem parte das extensões do Amor. 

Portanto, somos constantes caçadores de boas emoções. E cá entre nós, namorar, viver uma paixão saudável, amar outro ser e se envolver com ele num laço afetivo desse nível causa aquele friozinho gostoso na barriga, estou errado? Pois então, a gente quer é sentir isso. Por isso vamos atrás de experiências que nos provoquem essas sensações. E dentre as que vivemos aqui na Terra, esta é uma das mais fortes que podemos sentir, a sensação de viver o amor a dois.

Mais um motivo - A auto lapidação. Inconscientemente, movidos por um impulso provindo de Deus em nós, buscamos pela evolução. E relacionar-se com alguém nos traz isso fortemente. Conhecemos mais quem somos através do outro. Tem mais motivos? Sim. A perpetuação da espécie. E mais um, que talvez seja o mais poderoso deles, o ápice emocional e energético que um orgasmo experimentado a dois numa profunda conexão sentimental e sexual causa. Porque nesse momento atingimos uma energia muito poderosa, é a expressão mais intensa de nossa Kundalini. É uma explosão de energia criativa que se assemelha à criação do Universo, o Big Bang. Nessa explosão liberamos “n” coisas benéficas ao nosso corpo, ao nosso Ser. Faz um bem gigante. E como seres ávidos pelo Bem, corremos atrás de tudo o que nos alinha com ele.

O objetivo da nossa centelha é a conexão, o alinhamento com quem ela realmente é. E Deus, além de ser todas as coisas lindas e positivas que conhecemos, também vibra numa emanação orgásmica. Deus é êxtase e positividade num grau que não se pode medir pelas nossas mentes. E quando temos um orgasmo intenso movido pelo Amor chegamos perto da sensação plena do Criador. É nessa emanação que os Elohim estão, por exemplo. Alegria, felicidade, amor, êxtase pela vida, motivação, exuberância, beleza, poder.

Esses são alguns dos motivos pelos quais as relações a dois são tão desejadas por nós. Porque o Amor faz bem, o sexo cura. Preste atenção numa pessoa que possui uma vida sexual saudável, pautada no amor. O humor melhora, a pele melhora, a energia melhora, o vigor, a disposição, a motivação e por aí vai. Porque a emanação e ativação dessa energia sexual orgásmica libera bons fluidos pro nosso corpo e mais, nos limpa de outros, que são negativos.

O amor, além do sexo, exercita a nossa ternura, nos deixa mais pacientes porque precisamos ceder por amor, precisamos tolerar por amor. Sendo que uma vida a dois exige renúncias, trocas, entrega, mudança. E com isso lapidamos a gente. Amar alguém é como receber da vida um estímulo a mais para sermos melhores a cada dia. Tudo isso nos enriquece. Além dos benefícios do sexo, que são muitos, existem os benefícios psicológicos e emocionais advindos da troca amorosa, do beijo, do abraço, do toque, do olhar, da ternura trocada. 

Vivenciar uma relação onde o amor seja a moeda de troca faz com que exercitemos a natureza de Deus de uma maneira profundamente mágica. Amar nos faz bem, seja um namorado (a), ou um amigo, animal, filho, etc. Amar é o que nos torna mais alinhados com Ele (Deus), porque Dele viemos, Ele somos e para Ele estamos indo sem parar.

Por isso, a cada vez que deixamos o Amor ser a nossa escolha e expressão, afirmamos a nós mesmos, energeticamente, que concordamos com Quem Ele é em nós. Por isso a sensação é tão boa. E numa relação de namoro ou mesmo um casamento, as emoções trocadas, os gestos, as atitudes, o carinho, a ternura, tudo isso se transforma num pacote de boas emanações que provocam em nós um puro e intenso alinhamento com Quem o Criador É.

Percebe por que queremos tanto isso? Pois é, motivos não faltam e nem razões. A questão que mais pega aí, é que procuramos do jeito errado. Fazemos do jeito errado, vivenciamos do jeito errado. E então, temos resultados ruins. Simples e matemático. Por isso relações morrem, por isso namoros são devastados e a solteirice parece nunca ter fim para muitos. E esse material é pra te ajudar nessa boa matemática, porque assim como criar prosperidade tem sua fórmula, o amor também. E ela precisa ser respeitada.

A gente já trabalhou aspectos comportamentais e interiores nas outras aulas. Você já sabe o que em você ajuda ou atrapalha na atração de uma pessoa legal. No entanto, vou colocar aqui mais resistências e ações negativas e positivas para fazer a equação do amor ter um resultado superior a zero na sua vida. Então, vamos lá!

Um grave engano – Embora a troca amorosa com alguém nos proporcione alinhamento e excelentes sensações positivas, tanto emocionais e sentimentais quanto sexuais, ninguém precisa do outro pra sentir isso. Se você entender essa questão, acabou a carência. Carência não é de receber, mas de dar amor. Se você compreender que é a primeira pessoa que precisa te dar afeto, carinho e satisfação em todos os sentidos (também o sexual) não vai sentir “falta” de alguém pra fazer essa tarefa, antes, sentirá o desejo de compartilhar o que já vibra em você. São duas coisas opostas. 

Você pode se dar amor, importância, ternura, carinho. Você pode se dar tudo o que espera de outra pessoa. — Mas isso não me tornará egocêntrico, Vinícius?  — Absolutamente! Pelo contrário! Quanto mais amor você se der, mais vai desejar compartilhar. Um copo cheio pode transbordar, um vazio não.

Quem é egocêntrico está vibrando ausência de amor. A pessoa se fecha no mundinho dela porque na verdade tem medo. Outras vezes, o faz porque se acha melhor que os outros, sendo assim ninguém é bom o suficiente pra ela. Isso não é auto-amor. Por outro lado, quando você se ama mesmo e se dá tudo isso, vai transbordar. E transbordando, a energia do amor emana de você ricamente. E quanto a se dar satisfação sexual, é possível sim. Seja criativo! Será que terei de ensinar isso aqui também? Pelo amor de Deus!

Você pode satisfazer a si mesmo se realmente se interessar e tiver motivação para tal. Quando nos amamos somos pacientes conosco e nos atentamos em nos dar o melhor de nós. É só se tratar como quer ser tratado por um companheiro (a) e como gostaria de trata-lo (a). A receita disso é simples, mas não vai pra prática na maioria dos casos. Porque a carência do outro e o auto-abandono cegam as pessoas pra enxergar o que estou ensinando aqui.

Eu preciso de alguém pra me fazer feliz... Eu preciso de alguém que me satisfaça na cama... Eu preciso de alguém que me ame... Estes são alguns dos excrementos verbais que o ser humano profere movido pela carência e ausência do próprio amor. Cai-se numa propaganda enganosa de que se a pessoa se der todo o afeto que deseja será egocêntrica e fria. Daí, o indivíduo vira mendigo de afeto alheio e o que acontece é que recebe exatamente o contrário do que almeja, ou seja, decepção. Porque ninguém (em essência) está a fim de tapar o buraco emocional alheio. Todos (em essência) estão a fim de trocar. Porque é na "troca" que se baseia o mecanismo de funcionamento do universo. Não existe "dar", só o "trocar".

Então, chega de alimentar essa crença e comece a ser o seu namorado (a). Seja o seu par perfeito e se dê o que merece. Não condicione sua satisfação emocional e sexual à presença de outra pessoa. Trocar com outro Ser é divino e muito importante. Mas trocar o que, se você ainda não tem, né? Vamos refletir.

Mais um engano – Sexo faz a pessoa ficar interessada por você. Aí lascou de vez! Se o indivíduo pensa em transar no primeiro encontro já pra dar aquela impactada na pessoa que está conhecendo, comete um dos maiores erros da equação. É como tirar o sinal de “+” e colocar o “-“. É isso, falando de forma bem simples.

Transar de cara ferra tudo. Deixa eu explicar: 
A neurociência diz que quando o assunto é sexo, produzimos neurotransmissores que provocam na gente um determinado tipo de comportamento e sensação. E quando falamos de amizade, amor e outros valores sem mexer no assunto sexual produzimos diferentes neurotransmissores, na outra ponta, que nos levam a outra direção e sensações. Se você conhece uma pessoa e já vai "coisando" com ela, vai produzir os neurotransmissores relativos à libido sexual e fazer com que aquele indivíduo neuroassocie você a isso, ficou claro? Se você mexer unicamente com os chacras inferiores de uma pessoa não vai provocar mais do que emoções e reações nela. Impulsos instintivos, primitivos e só.

Quando você transa com alguém antes do momento certo (equação inteligente) vai provocar nele uma leitura a seu respeito quase que cem por cento voltada ao assunto sexo. Ou seja, ele vai te enxergar praticamente só pra isso. E sexo mantém relação? Não. Sexo dura alguns minutos e fim. O leão cruza com a leoa por poucos minutos e cada um vai pro seu canto. Se você mexe com áreas inferiores (chacras) de uma pessoa sem despertar as superiores (chacra do cardíaco – sentimentos) tem grandes chances de arruinar a relação antes mesmo de começar.

Porque sexo a gente pode fazer com qualquer pessoa que nos seja interessante e mexa com a nossa libido. Mas amor, a gente só troca com pessoas especiais. Portanto, atente-se à responsabilidade de criar amor primeiro, construir vínculos sentimentais sólidos antes de mexer com a área primitiva-instintiva-sexual do parceiro (a). Despertou isso primeiro, cagou tudo. Menos de um por cento dos relacionamentos realmente progridem seguindo essa matemática. E se vai pra frente, geralmente é por pouco tempo. Um dia um homem me disse que tudo começa numa “foda”. Sim, ele usou esse termo. E ele era um homem maduro, tinha mais de cinquenta anos. Queria muito namorar sério, mas estava sozinho, solteiro e carente. Por que será? Pois é! Porque se tudo começar numa “foda”, pode crer, é quase que garantido que terminará nela própria.

Pra explicar ainda mais detalhadamente, seria o seguinte – Você tem o campo das emoções (chacras inferiores, onde o "bicho" mais atua). E tem a alma, cujo centro de atuação é no peito, que interfere diretamente em seu chacra cardíaco, que é responsável por te conferir sentimentos. Emoções são reações, sentimentos são estados. Quando você conhece uma pessoa e transa com ela antes de despertar sentimentos (estados), vai unicamente despertar emoções nela (reações, energias dos chacras inferiores). E reações são como empolgação, passam muito rápido. Sentimentos, sendo estados, permanecem. Por isso, o inteligente é ter como meta atingir o chacra cardíaco primeiro, criar laços sentimentais, fazer a pessoa realmente gostar de você. Porque uma vez que você conquista a alma do outro Ser, não corre mais o risco de ter um envolvimento com ele baseado em emoções passageiras.

Tesão sexual é emoção. Falando sem pudor (porque não é pra ter mesmo, neste caso), você se excita (emoção), transa (emoção), goza (emoção) e fim. Daqui a dez minutos tudo aquilo que você e a outra pessoa estavam sentindo passou. E o que ficou? Nada, afinal, não foi construído nada. E vamos supor que vocês tentem construir isso depois da transa. 

Podem até tentar, mas um já está neuroassociado para o outro, sexualmente. A primeira leitura que o cérebro faz daquele sujeito (a) quando você pensa nele (a) será uma baseada em sexo, inevitavelmente. Você vai pensar na pessoa e sentirá os chacras inferiores reagirem. Sentirá tesão, vai mexer com suas emoções. E o mesmo vai acontecer com a outra parte. E se o cara (ou a mulher) te enxerga assim, dificilmente (quase impossível) nutrirá sentimentos mais profundos como amizade e amor. Até porque se você já sai transando assim com um (a), deve fazer isso com todo mundo, né? Ué, é o que a outra pessoa vai pensar inevitavelmente! E você também. 

Nada contra sair e transar com quem você quiser, você é livre. Mas a questão é que estamos falando aqui de relações amorosas profundas, de sucesso e alicerçadas em valores que sejam realmente duradouros, sob uma visão espiritualista. Se a intenção é conquistar o coração de alguém, então foque na parte superior e deixe a de baixo de lado, por enquanto.

Sabe aquela frase “A primeira impressão é a que fica”? Pois é, nesse setor da vida ela se aplica. Se você quer que o outro te veja como amigo, companheiro, confidente, parceiro, um amor pra uma história duradoura, cause nele impressões que produzam os neurotransmissores que favorecerão isso. Mexa com os valores dele, com suas crenças, construa uma amizade sincera antes mesmo de beijar essa pessoa.

Conquiste o amigo (a) e terá um ser humano interessado em você. Construa uma relação de respeito com esse alguém, quando ele pintar. Porque tudo o que você apresentar de início ao outro será o que mais o marcará, em todos os sentidos. Agora, se você quer que ele (a) te veja apenas como uma diversão sexual, é simples, basta conduzir as coisas pra esse lado, desde o início.

Uma verdade – Quando o assunto é namoro sério, sexo vem em segundo plano. O que vem primeiro é a amizade. Saia com a pessoa, conversem muito. Saiam de novo (em lugar público, pelo amor de Deus!) e de novo e de novo. Façam programas que criem laços sentimentais entre vocês (chacra cardíaco - alma). 

Empenhe-se para que a outra parte sinta saudade da sua companhia, da sua pessoa e não simplesmente do seu corpo, porque como eu já disse, tesão se alivia em minutos, amor não. O amor estimula a convivência, o amor aproxima. O amor se expande e cria cada vez mais desejo em ambas as partes. É algo duradouro e que cresce exponencialmente. Deixe o sexo como expressão desse amor e não como fundamento dele. Porque o fundamento do amor é o respeito, não o sexo.

Depois de terem saído muito e seguido às orientações, o primeiro beijo está liberado. Mas calma, é só um beijinho, do lado de fora do carro, ok? Antes que mãos ousadas se manifestem e tals. Não estrague tudo.  — Ah, mas Vinícius, eu saí com uma pessoa e fiz tudo isso e a coisa não foi pra frente.  — E daí? Não foi porque não tinha química entre vocês. 

Agora, nutrir o pensamento de “Melhor eu transar logo, porque vai que não dá certo, né? Pelo menos eu saio com a sensação de que peguei legal!”... Olha que coisa pobre! O interesse é só pegar alguém? Então saia só pra pegar alguém ou contrate um profissional do sexo. Porque entrar numa relação com essa intenção só vai fazer você puxar um indivíduo que tenha o mesmo tipo de valores, entendeu?

E o sexo? Quando vai rolar? Depois que vocês já estiverem sentimentalmente envolvidos. Então, haverá mais do que emoções e tesão, haverá sentimentos, olhares sinceros, beijos recheados de amor, carinho e respeito. Será ótimo para os dois e quando o sexo terminar, ainda restará o companheirismo, o afeto, o olhar, a mão no rosto, o beijo, os sorrisos, porque você terá uma relação sexual com o corpo e com a alma daquele Ser. O tesão une o corpo, o amor une a alma. Filosofei agora.

O tesão desperta o interesse, mas é o amor que o mantém. É o amor que faz você se lembrar daquela pessoa e sorrir. É o amor que faz você querer levar o café na cama pra ela, convidar pra ver um filme, passear juntos, curtir a natureza, os amigos na companhia um do outro. É o amor que une verdadeiramente dois seres. Quando você tem apenas tesão por alguém a única reação que sente ao pensar nele é excitação sexual. O peito não reage, a alma não responde, só tem reação emocional e mais nada.

Se você chegar numa festa e já partirem o bolo pros convidados logo de cara, a maioria deles vai embora rapidinho. Eu mesmo iria kkk... Porque o bolo é o símbolo da celebração de uma festa que está acontecendo há algum tempo. Não sopre as velinhas antes cumprimentar os convidados e interagir com eles, porque vai perder a graça.

Pra ter amor é preciso criar laços e nutri-los. Essa missão leva tempo, dá trabalho e por isso muita gente desiste e nunca consegue construir algo realmente lindo com alguém. O amor exige renúncias e nos leva a ceder por um propósito maior. Se você quer realmente desfrutar amor com alguém, então, não tenha preguiça de construí-lo e pagar o preço por ele. Pode ser um pouco caro, mas esteja certo, vai valer muito a pena! 


Que o Amor nos cure! 
Vinícius Francis :-) 

Nossas páginas do Facebook:
Comunidade - AQUI
Grupo fechado - AQUI
Página pessoal (Vinícius Francis) - AQUI
Cursos e materiais disponíveis - AQUI

Um comentário:

  1. Mais uma vez te parabenizo Vinicus pelo excelente texto, tão claro, tão objetivo, essa são verdades gritantes, que a gente tenta "negar", porque geralmente é mais fácil pegar um atalho para se conseguir as coisas, porém, nesse atalho não há tanta beleza como teria se seguíssemos o caminho que o nosso coração diz. Boto fé em suas palavras, mesmo acreditando que também em certas situações, raras, o relacionamento pode fluir e durar mesmo que as etapas sejam "puladas", maaas pra todo o restante haha não é bem assim. Me vejo muito nas suas palavras, fico sempre reflexiva sobre como agir, transar não transar? Arrepender do que fiz ou não fiz? E as vezes acabo caindo nesses enganos que você sitou. Também já me vi numa situação aonde seguimos todas as etapas, tinha um início de vínculo sentimental, e uma forte química, mas, por motivos que não posso compreender (pois cada pessoa carrega um universo dentro de si) não teve continuidade. Me questiono muito, buscando possíveis erros, e seu texto clareou muito minha consciência. Gratidãooooooooo!!! <3

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.