quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Setembro Amarelo - Suicídio - Parte 01


Você já ouvir falar do Setembro Amarelo? Confesso que foi uma novidade pra mim. Vi um post que meu sobrinho compartilhou falando disso e pesquisei pra saber do que se tratava. Então, tive a ideia de falar a respeito no blog. Quero fazer vários textos, porque o assunto é extenso. E sério. É sobre suicídio. Infelizmente, são muitas as pessoas que encerram este capítulo de suas vidas propositalmente. É um numero alarmante. Que cresce.

Falar de suicídio é quase tão polêmico quanto o assunto “comer carne” no meio espiritualista, existe muito preconceito e dificuldade de compreender a realidade, em ambos. O que a gente vê, lê e ouve por aí sobre suicídio é que, quem o faz, está terrivelmente encrencado, e que nada justifica o ato de tirar a própria vida.

Bom, eu sempre me interessei por descamar as coisas e nunca basear minha opinião e compreensão de qualquer assunto na superficialidade com a qual ele é tratado pela maioria das pessoas. É o que acontece. Tem-se uma opinião e fim. Quase ninguém quer questionar, contestar, ir a fundo, pois há o medo de descobrir a verdade e com isso, reconhecer que estava equivocado.

Pra começar a falar disso, é necessário ressaltarmos o seguinte: Há muito mais por trás ato de suicídio do que uma mera decisão de “Não aguento mais, vou tirar minha vida”. Cada individuo tem sua bioquímica e sua psique, bem como seu perfil psicológico-emocional. Por mais que todos sejamos humanos e tenhamos um organismo e sistema com funcionamento semelhantes, cada Ser responde de um jeito. Cada Ser reage de uma determinada maneira com base em “n” coisas envolvidas.

Ninguém é igual a ninguém. Ninguém vive a mesma vida. Ninguém tem a mesma força. Então, para avaliarmos a questão do suicídio não podemos generalizar, assim como em relação a muitos outros assuntos.

Um ser humano ou a psique de um ser um humano é uma derivação de vários fatores, tais como a sociedade em que vive, a família, a vida espiritual, a psicologia que possui e seu Carma. Tudo isso influencia diretamente em suas escolhas, comportamentos, reações emocionais e até hormonais. Uma vez que reconhecemos também o fato do cérebro ser o responsável por uma série de comandos, o problema vai muito além do que julgamos. E infelizmente julgamos muito.

Dizemos que nada justifica, que quem faz isso é covarde, sem sequer tentarmos entender (como sociedade) o que aquele indivíduo está sentido e quais são as questões que o motivam a intentar contra a própria vida. Simplesmente atiramos pedra pelo ato ou tentativa, mas poucas vezes damos a atenção que aquela pessoa precisa ou poucas vezes a olhamos com misericórdia e compaixão.

Se alguém quer se matar, obviamente tem um motivo que segundo a sua percepção de vida, é convincente. Não é à toa. Ninguém se mata à toa. E ninguém tem que reagir como você, eu ou o João lá do fim do mundo, reagiria. Somos uma espécie, porém isso não tira a originalidade e particularidade de cada indivíduo.

Mas ignora-se isso. E continuamos com nossos discursos religiosos: Se você se matar, vai para o inferno (na religião cristã)... Na Espiritualidade a acusação é a mesma, só mudamos o nome “inferno” para “Umbral”. Qual é a diferença? Nenhuma.

E eu aproveito pra dizer uma coisa aqui muito séria. Sabe quem tem passe livre para o Umbral? Pessoas como eu e você, que estuda a Espiritualidade. Porque somos conscientes. E uma vez sendo conscientes, não podemos ser justificados pela nossa ignorância. Eu estou numa posição ainda mais delicada do que você, que só estuda. Eu ensino, dissemino conhecimento, propago informação a muita gente. E tudo o que sair desse blog é de minha responsabilidade. Vou responder por isso.

Se eu estiver ensinando mentiras, semeando ilusões nas pessoas, serei o responsável pelas coisas que acontecerem a eles, provenientes do que aprenderam comigo. Então, você, “trabalhador da luz”, formador de opinião, tome muito cuidado com o que você ensina e propaga, porque este Universo e planeta não estão jogados ao léu, existem leis e uma Hierarquia Divina que regem tudo isso. E cada ser vai colher o fruto de suas ações, quaisquer que sejam elas.

Por isso eu não compartilho material de terceiros aqui. Tudo o que divulgo no blog é de minha autoria ou de autoria de pessoas da minha confiança. E somente com autorização dos meus mentores é que posto algo que não seja elaborado por mim. Pois por tudo o que eu disseminar, responderei. Por isso, antes de julgar e atirar pedras em suicidas ou possíveis suicidas, pense que somente o ato de fazer isso, pode encrencar você muito mais do que ele estaria, se cometer tal ato.

Vamos prosseguir com o assunto em outros textos. Os próximos tópicos que estudaremos serão: O que acontece com quem suicida, quais as motivações externas para isso, qual o papel dos espiritualistas em relação ao problema e ao mundo e como ajudar quem está nessa situação de tentar encerrar a sua caminhada atual, na Terra. Continue acompanhando. Vamos terminar esse estudo com uma mensagem fantástica dos Elohim, sobre o assunto.

Que o Amor nos cure!
Vinícius Francis :-) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.