sábado, 23 de julho de 2016

Você é mesmo imperfeito?


Você tem defeitos? A gente cresceu aprendendo a assumir que somos seres imperfeitos, pecadores, cheios de falhas, como se fôssemos uma mercadoria que saiu com defeito de fábrica. É interessante a facilidade que temos de destacar em nós esses ditos defeitos. Mas, será que eles são defeitos mesmo? Eu aprendi a cultivar um olhar diferente. Eu não acredito mais em defeitos. Se somos criados por um Deus perfeito, ou seja, por uma fôrma perfeita, como podemos ser imperfeitos?

Somos seres em processo de evolução, não sabemos tudo. Nos enganamos, tropeçamos aqui e ali porque temos certo grau de ignorância. Mas é assim que a natureza nos criou, pra aprendermos no percurso da própria experiência de viver. Ninguém nasce sabendo. 
Erros não são manifestações da imperfeição, mas da necessidade de aprendizado. E nada mais. Ah, mas e aquele seu jeito impulsivo, por exemplo, que só te faz criar problemas? Ah, mas e sua bondade excessiva que só cria confusão pra sua vida? Ei, não são defeitos, são características de seu temperamento que não têm sido dosadas e administradas com sabedoria. Corrigido isso, acabou o problema. Então, era um defeito mesmo? Ou somente uma necessidade de gerência mais apurada?

Substitua a crença na imperfeição por outra, tipo, sou um ser perfeito em processo de aprendizado. Você não tem defeitos, tem características particulares e serão elas positivas ou negativas, dependendo do ângulo que você as observar. Tudo, no final das contas, acaba sendo funcional na arte da vida.

A natureza não coloca em nós aquilo que não serve pra nossa evolução e sobrevivência, então, você é perfeito na exata medida da perfeição que precisa para esta vida e etapa de sua evolução. Se pode melhorar? Claro, sempre pode. Mas um melhorar impulsionado pelo reconhecimento da perfeição que você já é, e não da imperfeição que na verdade, se você olhar bem, não existe. É só a maneira como aprendemos a ver nossas características. Tudo fruto da comparação com um ideal do perfeito, outra coisa que também não existe. São fantasias criadas para nos oprimir e nos fazer sentir a pequenez e impotência. Claro, se nos sentirmos assim, ganham força sobre nós.

E uma vez nos assumindo como errados, imperfeitos e tortos, abraçamos a ideia de que precisamos nos moldar para sermos encaixados no meio social. E iniciamos um processo terrível de auto sabotagem, nos forçando a ser diferentes, com o fim de sermos aceitos. Na visão de que a nossa verdade, lá dentro, é errada.

Então, não aceite, todo mundo é perfeito em si, porque a fonte reside em nós, mas ninguém sabe tudo. E é justamente por isso que estamos aqui, para aprender. Não se cobre, antes, se ajude, se melhore, se lapide, se transforme positivamente, mas com amor.

Que o Amor nos cure!

Vinícius Francis 

Quero deixar uma dica pra você que deseja aprofundar-se no conhecimento e alcançar patamares interiores e exteriores mais elevados, o Manual do Bem Viver é um super guia, com mais duzentas páginas que reúnem muito de Espiritualidade Metafísica, autoconhecimento e técnicas e exercícios poderosos. Para conhecer melhor o Manual, clique na imagem ao lado.

Um comentário:

  1. Esclarecedor o texto, em cada colocação. E além de incessantemente muitos de nós buscarmos uma perfeição que já é enquanto essência, tentamos às vezes, moldar os outros a um padrão ideal imposto pela sociedade.

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.