quinta-feira, 16 de julho de 2015

Positivação genuína é um compromisso com a transformação interior


Chegamos ao fim da primeira semana do nosso desafio de trinta dias de apreciação. E particularmente, tenho a sensação de ter vivido semanas neste processo, a impressão que dá é que se passou mais tempo do que o que realmente correu. Porque tudo deu uma acelerada significativa, houve uma mudança de padrão energético em mim e conforme tenho lido nos e-mails, em alguns leitores também.

O que posso contar já é que surgiram novas oportunidades em minha vida, diversos sinais têm se mostrado e bênçãos já se manifestaram também, coisas que parecem ter sido elaboradas por “fadas”. E eu não me surpreendo porque de fato estou inteiramente convencido do poder e da veracidade da lei da atração. Agora, para quem não acreditava muito e está praticando com afinco como meio de “testar” deve estar sendo uma boa surpresa. Como foi pra mim há alguns anos, antes mesmo de eu começar o trabalho no blog, quando me positivei com orientação dos Elohim e em menos de um mês ganhei um prêmio em dinheiro, desses de jogos de Loteria. Não foi tanto dinheiro assim, mas eu me lembro que na época foi como ganhar um diamante raríssimo. O mais gostoso foi ter tido a prova da lei da atração, assim na cara e de forma incontestável. 

Mas aí, alguns céticos argumentariam: 
_ Ah, mas isso foi sorte! 
Sorte? E quando isso se repete mais duas vezes, como consequência do mesmo processo, também é mera "sorte"?

E são muitas evidências em minha vida! E claro, a maior delas é fechar os olhos e de repente, como num passe de mágica, poder me comunicar com inteligências e seres iluminadíssimos de dimensões elevadas e transferir seus ensinamentos às pessoas. Isso também é uma manifestação de um sonho de infância.

Na verdade, tudo é possível, isso é fato. Mas o que pega é que não largamos o controle mental que resiste, insiste em se debater com coisas e situações que já sabemos que não nos levarão a lugar algum. Entretanto, nosso ego com o seu senso de justiça própria se recusa a simplesmente soltar as resistências e confiar na energia do Bem. É típico dele permanecer naquela teimosia, mesmo vendo que as árvores que ele abraçou não dão frutos. Mas e o orgulho, né? Tem ele na jogada! Sempre tem! E a síndrome do Senhor da razão? Por acaso deixa alguém ser humilde e reconhecer que precisa mudar a rota?

E o que de fato torna tudo mais difícil pra quem está nesse processo de se positivar é lidar com mudanças internas que trabalhos assim inevitavelmente geram. Por quê? Ora, se você começa a praticar uma energia alta, elevada e positiva, seu campo magnético muda de frequência. Acontece uma transformação rápida em você. E sabemos que mudar não é muito a onda do ego, que a todo custo tende a nos manter num estado mórbido, lento, improdutível, porque parece mais confortável ficar assim, numa posição onde não precisamos nos empenhar muito e nos mover (crescer).

Isso nada mais é do que inércia, um corpo que está parado tende a permanecer assim. E um empurrão vibratório pode incomodar no princípio. E é isso o que acontece com a maioria. Ao mesmo tempo, é justamente essa pedrinha de tropeço que faz muitos abandonarem o barco antes mesmo da primeira evidência de que a energia mudou pra melhor.

A grande verdade é que a permanência nesse desafio de se manter em estado de apreciação ao Bem vai depender do quanto a pessoa está disposta a mudar. Hum! É meu caro, uma onda positiva quando nos invade começa a trabalhar no que não está de acordo com a essência dela. E isso cutuca o ego ué! Mexe em ressentimentos, medos, conflitos, feridas. Vai mexer naquela má vontade básica que costumamos cultivar, vai nos estimular a arrumar nossa casa interna. E a gente precisa admitir que nem sempre isso é interessante. Depende da intenção de cada um, claro!

Quem entra nessa apenas com interesse de manifestar desejos, normalmente dança rápido. Porque o positivar-se requer disciplina e transformação pessoal. E quando a energia nova começa a convocar isso em nós, hiiii... Nos fechamos! Rever uma série de conceitos, largar mão de nossas frescuras e mimos, hum, sei não hein? Tem de haver um interesse na criatura que vá além de manifestar desejos. O empenho primordial precisa ser em prol do crescimento interior. Aí sim o indivíduo consegue lidar mais facilmente com o processo e se alegrar com cada passo dele.

Uma pessoa apegada à matéria, por exemplo, só enxerga bons resultados se estes se mostrarem externamente, no mundo sólido, como o emprego almejado, o namorado (a) ansiado, o carro novo, dentre outras coisas. No entanto, quem realmente enxerga tudo isso como algo que envolve mais do que ganhos materiais vai se alegrar também com progressos interiores, vai dar importância para conquistas que envolvam questões emocionais e espirituais. Porque essa pessoa sabe que a chave de uma genuína positividade se encontra justamente numa melhora interna.


Bênçãos materiais são consequências de uma mudança de comportamento, pensamento, de crenças e emoções. E sem querer mexer nisso, sinto muito, vai ficar meio difícil você ter significativa mudança na vida! O que eu posso dizer até agora é que está valendo a pena, muito mesmo. E alegremente a segunda semana se inicia ainda mais acelerada. E só vai depender de nós que prossiga assim. 

Seja abençoado!
Vinícius Francis

Sempre deixo uma sugestão pra você que deseja estudar e se aprofundar nas busca pelo conhecimento funcional. Hoje te sugiro o "Manual do Bem Viver", que é um super guia de mais de duzentas páginas com estudos diversos e temas que envolvem a Espiritualidade, metafísica, autoconhecimento e magia branca. E os interessados em adquirir este curso receberão de presente a apostila de estudo "Assumindo o Reino de Deus". Clique aqui para mais informações sobre esse Manual. =] 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião ou pergunta.